Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

 

Rogério Fernandes de Macedo - 霍心武

 

Rogério Fernandes de Macedo, nasceu em São Paulo no dia 03 de julho de 1965. Desde pequeno foi fascinado por artes marciais, mas, o que mais o atraía, além das técnicas, eram os princípios filosóficos e éticos que os artistas marciais, como Bruce Lee, David Caradine nos seriados de “Kung Fu”, ou os de hoje em dia como Jet Li e Jackie Chan, por exemplo, demonstravam e demonstram possuir, o que o fez procurar ler sobre o assunto. Encontrou, na época, alguns livros de Kung Fu do Marcos Natali, do Dirceu Amaral, juntamente com, Aparecido de Souza Soares (Mestre Cido), Mestre Li e Rinaldo e outros livros de Judo, Jiujitsu, Karate e Capoeira. Lia tudo o que encontrava a Prof. Rogério treinando com 太乙日月乾坤圈 - (Tài yǐ rì yuè qiánkūn quān) - Anel do Sol, Lua, Terra e UniversoProf. Rogério treinando com 太乙日月乾坤圈 - (Tài yǐ rì yuè qiánkūn quān) - Anel do Sol, Lua, Terra e Universorespeito das artes marciais e passou a praticar sozinho os movimentos de Kung Fu. Ele sempre foi dedicado em tudo e, em pouco tempo, treinando todos os dias, desenvolveu algumas habilidades, aprendeu um Taolu (Kati) do estilo tigre e alguns golpes, além de ter desenvolvido um bom alongamento e resistência. Algumas dúvidas ele tirava com o seu cunhado, que na época era professor de Hapkido. Na escola chegou a fazer uma apresentação na sala de aula, a pedido de seus colegas e com a diretora assistindo, foi a sua primeira exibição. Logo que concluiu o ensino médio, em 1984, entrou na Associação de Kung Fu Shao Lin Hung T'Chen Pay, na Lapa, e acabou, sem a sua intenção, chamando à atenção dos companheiros de treino, os quais o apelidaram de Shaolin, e do mestre Hélio de Andrade, que ministrava aulas junto com o mestre Rinaldo, ambos alunos do mestre Cido, o do livro citado anteriormente. O mestre Hélio, quando Rogério já tinha por volta de um ano de treino, convidou-o para auxiliá-lo nas aulas, o que foi aceito com muito orgulho. Na época, ele trabalhava em um açougue e, assim que fez seu exame para a terceira fase no Kung Fu (Wushu), mestre Hélio lhe chamou para trabalhar junto dele na academia, o que aceitou sem hesitar.

Prof. Rogério treinando facãoProf. Rogério treinando facãoRogério, estudou Wushu ajudando o mestre Hélio a ensinar os alunos até que passou a morar na academia, treinando, praticamente, todos os dias. Participou de vários campeonatos e apresentações, entre elas o “Primeiro Encontro de Artes Marciais”, realizado no Poliesportivo do Ibirapuera, com a participação de diversas artes marciais, esse considerado na época, o maior evento de artes marciais de São Paulo. Em 1989 começou a estudar o idioma japonês com a professora Juliana. Porém, na falta de tempo, precisou parar os estudos de Japonês, o qual cursou por um ano e meio.

Trabalhou com o mestre Hélio até 1991, ano no qual montou a sua própria academia, com o nome de Associação de Kung Fu Kuoshu Hung Gar, passando a ensinar o Kung Fu (Wushu), com a supervisão do mestre Cido. Entrou no curso de educação física da FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas), nesse mesmo ano, desenvolvendo mais o seu ponto de vista sobre o esporte e as atividades físicas. Sua associação precisou mudar para um lugar maior devido às necessidades de espaço, isso ocorreu com apenas um ano de atividades, pois já a associação registrava à frequência de cerca de 300 alunos. Devido, no entanto, a um período de crise decidiu por abandonar à faculdade. 

Desde 1992, Rogério dava início aos estudos do idioma chinês (Mandarim) na Escola de Língua Chinesa e Missão Católica Chinesa, o qual passou a ensinar para seus alunos, já com a intenção de desenvolvê-lo tanto para o ensino como para o seu perfeito domínio. Sua associação permaneceu na região da Lapa até o ano de 1995, mudando depois para o Parque São Domingos, em Pirituba. Nessa mudança, muitos alunos não puderam acompanhar o então professor Rogério e a associação precisou ser fechada em 1997 por dificuldades financeiras, mas, mesmo com isso, ele conseguiu levar seus alunos a participar de dois grandes campeonatos em Osasco, obtendo importantes títulos. Além disso, o professor Rogério continuou ministrando aulas de Kung Fu (Wushu) particulares e em academias de ginástica, mantendo com isso muitos alunos antigos e dedicados.
 

Professor Rogério - Único professor não chines no grupo de professores da Escola de Chinês da Missão Católica Chinesa no Brasil Professor Rogério - Único professor não chines no grupo de professores da Escola de Chinês da Missão Católica Chinesa no Brasil
 
 
 

Em 1996, o Prof. Rogério conheceu pela primeira vez o mestre Wei Changqing, de olhar calmo e muito amigável, foi apresentado pelo amigo, (depois irmão de treino), Hércules. A partir desse contato, Mestre Wei convidou Rogério para participar dos treinos, o que foi aceito com muita honra. Participando dos treinos, sem faltar um só dia, ele começou a entender melhor as diferenças entre métodos chineses de treinamento e métodos brasileiros, com influências mais distantes da China, mas o que mais atraiu Rogério foi a aproximação cultural e a teoria do Wushu, muito bem dominada pelo Mestre de Shandong, Qingdao. O estilo ensinado era o Changquan, oficialmente ensinado nas escolas da China, mas a técnica de sua família era o Sunbinquan.

Os treinos eram feitos, na maioria das vezes, na casa do Mestre e no Parque do Ibirapuera e Rogério pode estudar com muito afinco, não apenas o Wushu, mas também a língua e cultura chinesa, ferramentas sempre valorizadas por ele para a compreensão do que realmente vem a ser a arte marcial chinesa e, principalmente, a sua teoria, que requer o mínimo do estudo de chinês, se houver o desejo de aprofundar nesse conhecimento.

Durante o tempo que permaneceu estudando o Wushu, Prof. Rogério apresentou seus alunos ao Mestre, o qual passou a supervisionar os treinos e introduzir os melhores costumes de seu pais sobre esta arte. Desse modo, ele avançou no estilo Changquan podendo transmiti-lo no Brasil, também sendo orientado a aperfeiçoar a língua chinesa e buscar contatos empresarias como intérprete, conselho que foi rigorosamente seguido.

Mestre Wei gostava de revisar as lições de chinês feitas por Rogério e sempre o encaminhava para abrir novos espaços de treino, como em academias particulares e escolas. Dessa forma, ele pode desenvolver seus estudos em todos os sentidos.

Para o Prof. Rogério, Mestre Wei foi um grande orientador e incentivador da arte marcial chinesa e da transmissão da cultura de seu pais. Em 2007, Rogério desceu a montanha, como dizia o Mestre, para dar início à preparação para o vestibular. Neste tempo já havia sido fundado o Centro de Cultura Chinesa, no Tatuapé, onde o Mestre manteve seus trabalhos até a fatalidade de seu falecimento, em 2011. Isto foi realmente uma perda incalculável para o Wushu do Brasil. Quanto ao conhecimento adquirido durante todo o tempo junto do Mestre Wei, Rogério pode aproveitar aquilo que foi mais importante, que foi lutar pela vida como um soldado, estudar sempre com sede de conhecimento. Com estes princípios Rogério pode entrar, no ano de 2009, na UNIFESP, se graduando em Letras, em 2014. Atualmente, ano de 2016, faz Doutorado em Ciências Sociais, na UNICAMP, na área de Estudos das Relações China-Brasil. Quanto ao Wushu, o seu foco continua sendo na teoria.

O Prof. Rogério também aprendeu a prática e a teoria do taijiquan yang simplificado (24 movimentos) junto a Mestre Wei e atualmente ministra aulas dessa arte na zona oeste de São Paulo - Capital.

 

 
 
Entre em contato com o Prof. Rogerio: 
rogerio@sunbin.com.br